sábado, 1 de março de 2014

ORAÇÃO DA SAÚDE


Que tenhamos sempre palavras claras na boca.

Que tenhamos sempre energia nas narinas

Que tenhamos sempre visão penetrante nos olhos

Que tenhamos sempre audição apurada nos ouvidos

Que tenhamos sempre força nos braços

Que tenhamos sempre vigor e resistências nas pernas...Que todo o corpo esteja saudável e livre de doenças

 adaptado por Adriana Basile do verso:

                                                                       Paraskara Grhastra Sutra III:3.25

segunda-feira, 15 de outubro de 2012

AÇAFRÃO

 
 






O Açafrão da Índia ou Cúrcuma é uma planta da família do gengibre (Zingiberaceae) sendo a raiz a parte mais utilizada na culinária e na medicina. No Brasil, principalmente em Minas Gerais e Goiás, é conhecida como Açafrão da Terra, Açafrão ou Gengibre Amarelo. Aquele baratinho que a gente encontra até em supermercado (esse costuma vir pra consumo misturado com um pouco de fubá, mas mesmo assim não faz mal de maneira nenhuma, só faz bem)
 É no rizoma da Curcuma longa que está o componente mais ativo da planta, a curcumina presente em 2 a 5% deste tempero.
 A curcumina, isolada pela primeira vez por Vogel em 1842, é um pó insolúvel na água e no éter, mas solúvel no etanol.
 A curcumina comercial encontrada nos mercados a preços bem acessíveis, contém três cucurminoides que lhe confere a cor amarelo alaranjada: curcumina (77%), demetoxicurcumina (17%) e bisdemetoxicurcumina (3%).
 Ela é muito consumida na Índia, cerca de 100 mg/dia por habitante, como tempero. Estudos recentes mostram que podemos ingerir até 8 g/dia sem efeitos colaterais, entretanto a biodisponibilidade celular da curcumina é muito baixa , devido à rápida glucoronidação hepática e intestinal. O folclore nos ensinou que a adição de pimenta do reino (Piper nigra) aumenta em 2000% a biodisponibilidade do princípio ativo. Na Índia o povo adora açafrão e pimenta.
 Nos Estados Unidos são muito comuns o câncer de mama, de colon, de próstata e de pulmão, o que não acontece na Índia, onde é alta a ingestão de cúrcuma. Observou-se aumento da incidência de câncer de colon em imigrantes da Índia vivendo nos Estados Unidos, o que mostra o valor da dieta como fator quimiopreventivo (Aggarwal, 2003).
 A medicina complementar baseada em evidências científicas e na observação cuidadosa pode e deve ser utilizada conjuntamente com a medicina convencional ou quando não se obtém desta os resultados esperados. O médico não pode simplesmente dizer que não há mais nada a fazer, sem antes tentar de um modo firme, sensato e rigoroso todas as armas da medicina complementar (Felippe, 2007). Um dos exemplos é o uso da Cúrcuma.
 A cúrcuma tem sido utilizada na medicina Ayuverdica, medicina tradicional da Índia, por mais de 6000 anos nas seguintes situações: desordens biliares, anorexia, tosse, feridas em diabéticos, males hepáticos, reumatismo, sinusite, etc.
 Encontramos de 1966 a 2007, 1492 referências no Medline sobre a atividade biológica da curcumina. Recentemente a literatura médica mostrou que a Cúrcuma possui os seguintes efeitos:
 1. Anticâncer
 2. Aumenta o efeito da quimioterapia nas situações de resistência a múltiplas drogas
 3. Antiaterosclerótico
 4. Antinflamatório
 5. Reduz o colesterol
 6. Diminui a oxidação da LDL
 7. Inibe a agregação das plaquetas
 8. Diminui o tamanho da trombose no infarto do miocárdio
 9. Diabetes tipo II: hipoglicemiante, diminui os níveis de hemoglobina glicosilada e diminui a microalbuminúria
 10. Esclerose Múltipla: diminui as crises de exacerbação
 11. Alzheimer: retarda o processo degenerativo
 12. Fibrose cística: corrige alguns defeitos
 13. Doenças inflamatórias dos olhos: uveíte anterior crônica, pseudotumor orbital idiopático
 14. Diminui as dores na artrite reumatoide
 15. Efeito nas doenças de pele: psoríase e dermatites
 16. Efeito na esclerodermia
 17. Estimula regeneração muscular
 18. Melhora a regeneração das feridas
 19. Cicatriza escaras
 20. Protege o fígado e rins de lesões tóxicas
 21. Aumenta a secreção biliar
 22. Diminui a formação de cálculo biliar
 23. Efeito nas doenças inflamatórias de intestino
 24. Protege contra a formação de catarata
 25. Protege o pulmão da fibrose
 26. Inibe a replicação do HIV
 27. Inibe a reprodução das leishmanias
 
 Lembrem-se:
 Para utilizar o açafrão na culinária convencional é preciso adicionar esta especiaria à panela já com óleo quente e refogar como se fosse um tempero, isso para que haja a liberação dos curcuminóides, pois a cúrcuma é de propriedade insolúvel. Depois pode-se acrescentar mais temperos (cebola, alho, etc) e preparar quaisquers receitas. Fica muito bom em arroz, purês, batatas e legumes sauteé. O açafrão também faz parte de um dos ingredientes do curry (o mais saudável é o curry em pó, o de creme contém gordura).
 Dica: Não exagere na quantidade, o sabor adstringente fica muito evidente, o importante é a freqüência da utilização da cúrcuma na alimentação e não a quantidade. Basta uma colher de café ou de sobremesa

quarta-feira, 5 de setembro de 2012

Sabores da Saúde

A alimentação ayurvédica baseia-se em seis sabores: ácido, amargo, picante, doce,
salgado e adstringente. Cada um deles credita atribuições específicas a cada
prato e deve ser priorizado ou ingerido em menor quantidade, conforme o dosha da
pessoa (vata, pitta ou kapha).
Em todas as refeições do dia os seis sabores devem coexistir, em menor ou maior
quantidade dependendo do dosha. Sabores prioritários de cada dosha:
Vata:
ácido, salgado e doce
Pitta:
Amargo, adstringente e doce
Kapha:
Amargo adstringente e picante
Todos nós temos influência dos três doshas sempre, porém, devido a nossa constituição,
temos sempre um dosha que nos influencia em maior quantidade. Resumindo,
podemos ser uni dosha (se é influenciado em maior quantidade por 1 dosha), bi
dosha (influenciado por 2 doshas – mais comum) e até mesmo tri dosha (Os 3
doshas dominantes). Porém mesmo se a nossa contituição é definida por um
determinado dosha (uni, bi ou tri), haverá ocasiões em que no dia-a-dia estaremos
sob influência de algum dosha que não faz parte de nossa contituição. Isso poderá
ocorrer por diferentes fatores do momento, como exemplo a influência de algum
estilo de vida novo (estilo de vida mais agitado: só é bom para o dosha kapha;
estilo mais calmo: só é bom para pitta e vata). Determinadas estações do ano
também podem influenciar, ou então determinado horário do dia/noite e sua idade
poderão desencadear a falta ou o excesso de algum atributo do dosha. Se isso
vir a acontecer e somar com o acúmulo do que chamamos de AMA (toxina não
digerida) nos tecidos, alguma patologia física, mental ou emocional certamente surgirá.
Desse modo é preciso ficar muito atento às emoções particulares do momento,
sempre no presente, ou seja, o alimento que ingerimos também poderá ser um
recurso para aplacarmos males emocionais.
DICA:
Sempre que receberem alguma notícia que deixe-o triste ou deprimido é bom não
se alimentar até que o estado mental negativo seja amenizado pois nesse caso é
certo que haverá formação de ama (ama mental, a mais perigosa das toxinas).
Outro conselho seria evitar comidas picantes, ácidas e salgadas em momentos de
irritabilidade, ainda mais se isso somar em um dia muito quente. E também é
recomendado evitar alimentos frios quando estiver em um estado de ansiedade
maior. Dica geral: Alimentos frios só
serão bem vindos para pessoas do dosha pitta dominante (elemento fogo), que tem um calor
interno mais intenso, do contrário essa qualidade de alimento favorecerá na
formação de AMA, e consequentemente, na ativação de determinada doença.

terça-feira, 17 de abril de 2012





O gengibre (Zingiber officinale) é uma planta herbácea da família das Zingiberaceae, originário da Índia e da China. É uma das plantas medicinais mais antigas e populares do mundo. O gengibre conta com substâncias como o canifeno, falendreno, zingibereno, zingerona e cineol. O cineol por exemplo é ótimo para a digestão, pois estimula a secreção gástrica (agni).

Uma das formas mais tradicionais de aproveitá-lo é como chá, feito com pedaços do rizoma (raíz). Seus benefícios são usados no combate a gripe, tosse, resfriado, gases intestinais, vômitos, rouquidão, e até ressaca. Também pode ser usado em compressas quentes contra artrite, dores de cabeça, congestão nasal, dores de coluna ou cólica menstrual.

* Estudos recentes sobre o gengibre apontam uma ação anticancerígena da raíz.

* Segundo pesquisadores, o gengibre é capaz de deixar mais lento o crescimento dos tumores de intestino. Ele também pode reduzir níveis de açúcar no sangue, muito útil para o tratamento de diabetes. Assim como todos os picantes citados abaixo, o gengibre aumenta o metabolismo e ajuda na queima calórica.

Dicas ayurvédicas:

Na época do ano onde há predomínio de estação úmida e parcialmente fria (janeiro e fevereiro), chuvinha sem sol, há o acúmulo do dosha kapha (elemento terra e água) no organismo, principalmente se a pessoa se alimenta exageradamente de laticíneos, pratica pouca atividade física e acorda mais tarde pela manhã (próximos as 10 h). Com a falta do elemento fogo, excesso de terra e também do elemento água, a probabilidade de adoecer aumenta. De acordo com o sistema ayurvédico recomenda-se aumentar o elemento fogo através do uso de picantes (pimentas, alho e cebola, gengibre, folhas picante suaves como hortelã e manjericão, etc). Mas cuidado, o uso excessivo de picantes podem gerar irritabilidade e dores no estômago, principalmente se a pessoa tiver o dosha pitta como parte de sua constituição energética.

* Uma receita infalível para eliminar a quantidade de ama (toxina não digerida) do organismo é o famoso suco de gengibre (receita abaixo). Acúmulo de ama, entre outras, é uma das causas que facilitam o aparecimento de doenças.

Contra-Indicações do uso do gengibre: Cardíacos e hipertensos, pressão alta não controlada, pacientes com gastrites e lesões ulcerosas no estômago não devem fazer o uso, apenas por recomendação médica.

Suco gengibre:

Esse suco pode ser usado para diversos fins. Para ativar a fome antecipando o almoço. Para quando se sentir cansado e com dores no corpo, dor muscular intensa, dor no corpo como sensação de que vai ficar doente ou com febre, febre (nem precisa tomar antitérmico se for menos de 38 graus, apenas com 1 colher de sopa de 1 em 1 hora já é o suficiente até cessar a febre). Para doenças no sistema respiratório como sinusite, rinite, bronquite, asma, tosse, tomar algumas pequenas doses o dia todo por vários dias até melhorar ou sarar, só parar se sentir muita dôr no estômago, mas antes de parar ainda é recomendado coar a mistura e tentar beber coando antes de parar o tratamento, isso evita a gastrite)

Retirar a casca do gengibre e ralar no ralador intermediário, nem no maior furo e nem no menor (vai virando o gengibre para evitar ralar a fibra que é mais difícil de ralar e cuidado para não ralar a mão pois é difícil ralar gengibre, escolha sempre os mais gordinhos pois tem mais suco dentro).

Após ralar retire o suco espremendo o gengibre ralado, se quiser pode usar um pano de prato limpo, colocar o conteúdo do gengibre ralado dentro como de fosse uma trouxinha e espremer até sair o suco. A proporção é para cada uma colher de sopa (a maior) do suco de gengibre, vc espreme uma colher de sopa de suco de limão, 1 colher de chá de açúcar mascavo e 1 pitada de sal caprichada, o importante é vc sentir os 4 sabores, ok?

Se estiver doente já vai fazendo em maior quantidade para não precisar ralar toda hora. Vc pode fazer uma garrafinha pequena com essa mistura e deixar na geladeira, dura 2 dias dentro da geladeira mas retire antes da geladeira um pouco para não consumir o líquido gelado, isso é importante.

Recapitulando: 1 colher de sopa de suco de gengibre

1 colher de sopa de suco de limão

1 colher de chá de açúcar mascavo

½ colher de café de sal ou 1 pitada (de preferência sal light, ou sal de rocha, pois tem menos sódio, já existe no mercado e é fácil de encontrar)

Colher de sopa é a maior e colher de café é a menorzinha de todas as colheres

Colher de chá é maior que a colher de café, bem maior, e menor que a colher de sobremesa.

Espero que testem!

Namastê

segunda-feira, 7 de novembro de 2011

yoga e ayurveda


A palavra sânscrita Yoga significa união, ou seja, refere-se à união ou reintegração do ser humano com a sua própria consciência ou essência espiritual, caracterizando assim um caminho para o autoconhecimento. É um sistema de técnicas psicossomáticas (ásanas: posturas, pranayamas: respiração) que visam equilibrar o corpo em conjunto com a mente, de forma a alcançar um estado de quietude para a prática da meditação, atuando profundamente no despertar da consciência divina de quem somos em essência.

A Ayurveda significa ciência da vida longa. Desenvolvido pelos antigos sábios da Índia, é o sistema de cura mais antigo e completo do mundo, nascido na Índia há mais de 6 mil anos a.C.. Ela enfatiza terapias preventivas e curativas por vários métodos de eliminação de toxinas do corpo e da mente, levando a um melhor funcionamento celular, eleva a imunidade, aumenta a longevidade e promove um rejuvenescimento integral.

De acordo com a ayurveda o ser humano é formado por um conjunto de elementos físicos, mentais e emocionais, desse modo, a saúde perfeita ocorrerá com o equilíbrio desses elementos. Ela afirma que o corpo humano é constituídos por 3 humores biológicos chamados vata, pitta e kapha, também denominados doshas. A diminuição ou o excesso desses humores no organismo podem resultar em desequilíbrio energético, provocando doenças por excesso de toxinas de diversas naturezas.

A Ayurveda é a ciência da autocura e o Yoga a ciência da autorealização, elas são ciências irmãs e caminham juntas. Ayurveda nasce dos sagrados livros dos Vedas, enquanto que o Yoga integra outra obra: o Yoga Sutra. Considera-se que um terapeuta ayurvédico que não conhece yoga é um meio terapeuta, assim como um yogue que não conheça a medicina ayurvédica é um meio-yogue, de acordo com o renomado médico Vasant Lad.

Os doshas são relevantes na medicina ayurvédica, e também podem definir a yoga a ser praticada e entender a premissa de cada indivíduo ser único e exigir procedimentos específicos.
Na prática de qualquer outro exercício físico há dispersão de concentração. Yoga integra, e por isso resulta em benefícios mais profundos e completos.

segunda-feira, 31 de outubro de 2011

Respiração

A respiração é a primeira forma de nutrição do nosso corpo, mais importante ainda que nossa nutrição individual por meio de alimentos. Trabalhar a respiração no yoga é atuar também em emoções estagnadas, pois os pranayamas liberam conteúdos internos.


Seria importante a realização desse tipo de exercício de olhos fechados, ou com olhar recolhido, para dentro. Perdemos muita energia pelo olhar, por essa razão o recolhimento ajuda na concentração do que está sendo realizado no presente para se beneficiar com yoga.


A respiração correta ensina a pessoa a ficar menos reativa aos episódios emocionais e ganhar habilidade no gerenciamento do estress. Também otimiza o funcionamento do sistema respiratório fora dos períodos de crise, expandindo a capacidade respiratória, além de reequilibrar o sistema nervoso.